Encontrados objetos ritualísticos do Segundo Templo

Migdal (TPS) – A Autoridade de Antiguidades de Israel (IAA) anunciou no início de abril que uma antiga pá e um jarro ritualístico ligados aos rituais do Segundo Templo foram descobertos no sítio arqueológico de Magdala – uma importante cidade judaica que data do período da Antiguidade Romana.

Durante o projeto vigente de escavações, um grupo de voluntários chilenos descobriu uma pá de bronze ornamentada e um jarro de bronze, aparentemente usados para armazenar incenso ou carvão em rituais religiosos.

“A pá incensária descoberta é uma de dez outras existentes no país que remontam à época do Segundo Templo. Pesquisas preliminares sugerem que elas eram usadas apenas para fins rituais, para as brasas e incenso que eram queimados em cerimônias rituais”, disse Dina Avshalom-Gorni, arqueologista-chefe da IAA, para o serviço de imprensa Tazpit.

Conforme Avshalom-Gorni, as pás incensárias são conhecidas mundialmente como instrumentais ritualísticos de várias religiões antigas e seu uso igualmente permeou o Judaísmo. O livro do Êxodo, de fato, assevera: “Deveis fazer o altar… deveis fazer jarros que hão de receber as cinzas e pás e caçarolas e garfos e braseiras; todos estes utensílios deveis fazer de bronze”, citação esta que liga esses artefatos a rituais do Templo judaico, ao menos simbolicamente.

“Sabemos que essas são certamente ferramentas sagradas, talvez pertencentes à sinagoga descoberta neste local, uma sinagoga particularmente grande, rica e importante na região”, explicou Avshalom-Gorni à Tazpit. “É um achado raro e excitante”.

O sítio arqueológico situa-se nas cercanias de Migdal, na costa ocidental do Mar da Galileia. Migdal ou Magdala, como era conhecida na língua latina, era uma grande cidade judaica de pesca e comércio na época do baixo Império Romano. É mencionada em fontes judaicas e, à época da destruição do Segundo Templo, foi usada como base militar principal para o antigo general e historiador judeu, Flavius Josephus.

Outra famosa moradora da cidade, conforme a tradição cristã, foi a prostituta penitente Maria Madalena – chamada assim conforme sua cidade natal, Migdal.

Em anos recentes, a IAA vem realizando extensas escavações no local, supervisionadas pelos arqueologistas Dina Avshalom-Gorni e Arfan Najar, em parceria com a Dra. Marcela Zapata-Meza, da Universidade Anáhuac do México, e com a ajuda de voluntários do México, Chile, Espanha e Itália.

“É um lugar impressionante e aberto ao público. De fato, o terreno pertence a um empreiteiro privado ligado à Igreja Católica, que planejava construir um hotel para peregrinos naquele local”, explicou Avshalom-Gorni.

Conforme a lei israelense, antes de aprovar a construção de qualquer projeto arquitetônico no país, peritos da IAA abrem um projeto de exploração no local, com o fim de evitar danos a sítios arqueológicos.

“Começamos as escavações em 2009 e pouco a pouco ficou claro para nós e para a igreja católica, que havíamos descoberto um grande sítio arqueológico datado da época do ministério de Jesus, na Galileia, e da casa de Maria Madalena”, acrescentou.

O proprietário então, decidiu converter o local em um museu a céu aberto ao longo dos sítios de escavação, os quais vêm produzindo entusiasmantes achados arqueológicos.

 

Fonte: TPS / Texto: Michael Zeff / Tradução: Reginaldo Ramos / Fotos: Cortesia

O aplicativo israelense que permite eliminar filas vai para os EUA

Tel Aviv (TPS) – A agonia de esperar em longas filas em um restaurante é universal, mas aparentemente os israelenses, que não são conhecidos por ter excepcional paciência, parecem ter descoberto uma forma de eliminar a espera. E para Israel a solução é um aplicativo.

Skeeper, o aplicativo que ajuda você a eliminar a fila, mas guarda o seu lugar, foi co-fundado pelo CEO, Alon Schwartzman, há dois anos, de maneira a eliminar o tempo de espera e limitar o número de desistências, beneficiando tanto os clientes quanto os restaurantes. E agora esta solução está sendo levada para os EUA.

Os milhares de usuários do Skeeper podem simplesmente dar seu nome e número e receber uma mensagem de texto automática indicando quando a sua vez se aproxima. Isso permite que os usuários façam compras, encontrem-se com amigos, reapliquem o batom antes do encontro, ou literalmente façam qualquer coisa que não seja se preocupar em perder o seu lugar na fila.

Essa solução não é só para restaurantes. O Skeeper também está sendo usado por outras empresas que sofrem com seus gargalos de reserva, como por exemplo os salões de beleza.

Schwartzman, que cresceu em Tel Aviv e trabalhou em uma empresa de alta tecnologia no vale do Silício por vários anos, disse ao serviço de imprensa Tazpit (TPS) que aproximadamente 100 mil pessoas já baixaram o aplicativo em Israel, que é gratuito para o usuário. O Skeeper obtém suas receitas de taxas de assinatura de restaurantes, buscando melhorar o serviço e garantir o retorno e satisfação dos clientes.

“Trabalhamos com grandes e pequenos restaurantes que são famosos por suas longas listas de espera, como ‘Benedict’ e dezenas de outros. Os gerentes sabem que a espera é basicamente uma experiência ruim e irritante. Ninguém quer perder tempo na fila. A última coisa que se quer, é que os clientes fiquem frustrados”, disse Schwartzman.

Além disso, inúmeras horas de trabalho têm sido poupadas com o uso do app por mais de 2 milhões de acessos dos clientes, de acordo com análises fornecidas pelo aplicativo. E os números estão crescendo ainda mais.

“Nós também reduzimos as desistências”, disse Schwartzman, referindo-se aos clientes que desistem antes da refeição. “Se há uma longa fila de espera, muitos clientes ficam cansados e decidem ir embora. Porém, com o nosso app há diminuição de 50% das desistências”.

Com tanto sucesso em Israel, Schwartzman planeja lançar Skeeper nos Estados Unidos ainda este ano.

Fonte: TPS / Texto: Alexander J. Apfel/ Tradução: Bruno Scala / Foto: IDF

Bíblia Online com videos e fotografias mostra a conexão do povo judeu com a Terra de Israel

Uma Bíblia online exclusiva, centrada na conexão do povo judeu com a Terra de Israel, foi lançada na Internet. O projeto, chamado “The Israel Bible” (A Bíblia de Israel), foi iniciado por uma organização chamada Israel 365, com sede na cidade de Beit Shemesh, no centro de Israel. “Estamos certamente vivendo em tempos críticos, onde consolidar o apoio bíblico a Israel na comunidade cristã sionista é mais importante do que nunca neste momento”, disse o rabino Tuly Weisz, fundador e diretor da organização Israel 365, ao serviço de imprensa Tazpit (TPS). A organização utiliza videografia e fotografia para mostrar significado e atributos religiosos de Israel.

O projeto da Bíblia de Israel fornece aos leitores e assinantes uma série de recursos educacionais. Além dos comentários escritos por dez dos principais educadores e guias turísticos de Israel que explicam a conexão do povo judeu com a Terra de Israel, a Bíblia também vem equipada com mapas interativos do Google que mostram os vários locais de inúmeros eventos na Bíblia em toda a Terra de Israel.

Embora Israel tradicionalmente receba uma quantidade significativa de apoio da comunidade cristã evangélica, o rabino Weisz disse à TPS que proporcionar essa ferramenta educacional para os cristãos, bem como para judeus é de significativa importância à luz dos recentes acontecimentos. “A voz evangélica em Israel está sendo afastada para longe de nós pelo movimento BDS, que realmente está visando corroer o apoio evangélico a Israel”, salientou o rabino Weisz. “Esta Bíblia de Israel, que é dirigida aos evangélicos cristãos sionistas, pode ajudar os evangélicos a aumentar o conhecimento do que a Bíblia diz sobre Israel e a quem Israel pertence, bem como a fonte do direito do judeu à Terra de Israel”.

O BDS (Boicote, Desinvestimento e Sanções), movimento contra Israel, ao longo dos últimos anos tem tentado convencer os membros da comunidade cristã evangélica a adotar uma posição teológica anti-Israel. O rabino Weisz ressaltou que no início do mês de março “aconteceu o Christ at the Checkpoint (Cristo no posto de controle) em Belém, uma conferência evangélica anti-Israel e pró-BDS”. A conferência foi promovida pelo Bethlehem Bible College (Instituto Bíblico de Belém) e diversos palestinos e cristãos evangélicos de vários países foram convidados a fim de “desafiar os evangélicos a assumir a responsabilidade de ajudar a solucionar [o conflito entre Israel e Palestina]” e “criar uma plataforma para sério compromisso com cristãos sionistas e um fórum aberto para o diálogo em curso entre todas as posições dentro do espectro teológico evangélico”. “Não foi uma conferência católica. Foi uma conferência evangélica”, ressaltou o rabino Weisz. “Eles não gostam que os evangélicos são associados como pró-Israel e eles estão tentando fazer com que a comunidade evangélica questione a reivindicação judaica a Israel”, afirmou o rabino.

O rabino Weisz disse que a única maneira de conseguir que os evangélicos questionem a validade da reivindicação do povo judeu à Terra de Israel é acrescentando detalhes e perspectivas na Bíblia que não estavam lá antes. “A única maneira de conseguir que evangélicos questionem o direito do povo judeu à Terra de Israel é reescrevendo a Bíblia e fazendo com que leiam coisas na Bíblia que simplesmente não estão lá”, explicou o rabino Weisz. “Por exemplo, eles dizem que Deus rejeitou Israel e que ele tinha um pacto com Israel e, depois rejeitou o seu pacto e substituiu Israel”. “Eles afirmariam, desta forma, que não temos o direito à terra e que nós a estamos roubando dos ‘legítimos’ proprietários palestinos”, continuou o rabino Weisz.

A Bíblia de Israel já alcançou um marco de numerosos assinantes e leitores. “Temos cerca de 10 mil pessoas que assinaram para seus próprios planos personalizados de leitura, apenas nas últimas semanas desde que lançamos o site”, disse Weisz à TPS. A Bíblia também incentiva a divulgação de conteúdos informativos e educacionais nas redes sociais. “Nós incorporamos uma tecnologia inovadora que permite às pessoas obter pontos por comentar, fazer perguntas e compartilhar”, explicou o rabino Weisz.

O Rabi Weisz permanece muito esperançoso e otimista de que o projeto Bíblia de Israel tenha sucesso na divulgação de conhecimento e consciência na comunidade cristã evangélica, sobre a justa e legítima reivindicação de Israel à Terra de Israel. “Estamos esperançosos de que a Bíblia de Israel irá proporcionar às pessoas a munição educacional para aprimorar suas crenças e entender que Deus deu a Terra de Israel para os judeus eternamente, não revogou a Sua aliança, não quebrou Sua promessa e não substituiu o povo de Israel em qualquer ponto, nunca”.

Fonte: TPS / Texto: Jonathan Benedek / Tradução: Alessandra Franco / Foto: TheIsraelBible.com

Russos criam internet “só para cristãos”

Em um mercado que procura explorar cada vez mais a segmentação para lucrar, já surgiram sites, redes sociais e páginas para vídeos focados exclusivamente no público evangélico. No Brasil existem cartões de crédito e até uma operadora de celular “gospel”.

Num futuro próximo os russos disponibilizarão a escolha entre redes WiFi generalizadas e as adaptadas para uso de religiosos. Ou seja, haverá uma internet “só para cristãos”. Ao mesmo tempo, estão sendo desenvolvidos navegadores que filtram informações “indesejadas”.

A princípio, os pontos de acesso destas redes especiais ficarão perto dos templos e em locais de grande concentração de pessoas, como parques e shoppings. O acesso será gratuito.

A elaboração dessa rede foi ideia do Conselho Interconfessional da Rússia. A maior denominação do país é a Igreja Ortodoxa e ela possui um departamento responsável pela “interação da Igreja e sociedade da Rússia”.

Seu presidente, o sacerdote Roman Bogdasarov, explicou que essa rede WiFi cristã “não deixará sair mensagens de caráter extremista e sectário ou pecaminoso. Também bloqueia informações com fatos históricos falsificados”.

“Não dizemos que nessa Internet só haverá sermões do patriarca ou sites ortodoxos. Haverá muitas coisas, inclusive cinema normal… e filmes russos e estrangeiros que infundem nas pessoas tais valores corretos como moral tradicional, patriotismo, proteção da família e crianças“, explica Bogdasarov. Os elementos principais na filtragem dessa “internet pura” são postagens que defendam a homossexualidade e o ódio religioso.

Ao mesmo tempo, representantes de outras religiões mostraram interesse pelo projeto. “Agora muitas pessoas mesmo as que não desejam isso frequentemente recebem informações indecentes através da Internet. […] Convém proteger os nossos jovens a crianças deste fenômeno”, declarou o presidente adjunto do Conselho de líderes muçulmanos da Rússia, Rushan Khazrat Abbyasov.

A Rússia tem convivido com diferentes formas de filtragem de informações. O projeto rublev.com não mostra resultados das pesquisas sobre “pornografia” ou “violência”. Para muitos, isso não passa de uma tentativa do governo de monitorar e censurar o livre acesso à informação, que sempre caracterizou a internet. Com informações de The Guardian

Fé ajuda a superar desafios, sofrimento, ansiedade e depressão

 

Uma pesquisa comprova que a fé pode ser uma grande aliada para pessoas não sofrerem de ansiedade, depressão e estresse.  Hoje, através destas novas pesquisas, se sabe a influência da religiosidade no bem-estar físico e mental.

Os resultados que estas pesquisas tem dado são impressionantes tantos para os que crêem como parar os que dizem não crer. “Diversas pesquisas já mostraram que pessoas mais espiritualizadas sofrem menos de ansiedade, depressão e estresse, estão menos vulneráveis a doenças cardíacas, vasculares, endócrinas e autoimunes; como consequência, vivem mais e melhor”, garante Ricardo Monezi, pesquisador do Centro de Estudos em Medicina Comportamental da UNIFESP.

Quem tem fé tende a ser mais otimista e persistente com os desafios. “A experiência religiosa, na maioria das vezes, pressupõe a concentração e a busca do equilíbrio a partir da conexão com alguma força maior em que se acredita, que pode ser feita, por exemplo, a partir da oração”, esclarece Jorge Claudio Ribeiro, filósofo e professor da PUC-SP.

“Assim, a pessoa que crê conta com recursos para se refazer mais rapidamente, enquanto a que não acredita em nada tem mais chances de se desesperar diante de uma dificuldade”, justifica o pesquisador. Claudio Ribeiro entende que a espiritualidade “facilite a conexão com o divino ou sagrado que zela por nós”, e assim produzindo um sentimento de segurança e conforto.

A fé somente pode ser prejudicial quando pressupõe intolerância.  “Quando uma determinada fé desrespeita o conjunto de crenças dos outros, automaticamente implica no desrespeito ao ser humano, o que pode levar a sentimentos como raiva e desejo de vingança”, ressalva Monezi.

 

Criança que nasceu menino se expressa como menina desde os 2 anos

Uma notícia intrigante divulgada na última semana parece apresentar uma prova da afirmação de especialistas que acreditam ser possível a genética explicar a definição de gênero.  Danann Tyler se olha no espelho e mexe os cabelos durante sessão com sua terapeuta, Cindy Paxton, em Redlands, cidade vizinha a San Bernardino, na Califórnia. Especializada em crianças e adolescentes trasgênero, Paxton atende Danann desde os seis anos. Hoje com dez anos ele é tratado em casa e na escola como menina que se diz ser.

Danann nasceu menino, biológica e geneticamente. Sendo assim possui um cromossomo X e um Y, que define desde a fase embrionária os machos da espécie humana (as fêmeas são XX), e órgãos sexuais masculinos, interna e externamente. Mas desde os dois anos de idade, identifica-se como menina.

Com uma camiseta de paetês, usando uma legging, roupas rosas, sapatos de salto, falando sobre músicas da Broadway e saltitando pela casa onde mora, na Califórnia, Orange Country. Desde o momento em que Danann começou a se expressar assim, os seus pais decidiram seguir o conselho da terapeuta e de médicos para que decidissem pela transição – passar a vesti-la e tratá-la como garota, sem intervenção cirúrgica – seus pais, a instrutora de ioga Sarah, 40, e o policial Bill, 43, se viram envoltos em dúvidas.

As tentativas de fazer a transição, como no caso de Danann, são recentes no EUA, ocorre a cerca de uma década. Adultos e jovens tem passado por este processo. Um estudo feito pela escola de direito da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), estima que 0,3% da população adulta nos EUA, Ou seja, que cerca de 700 mil indivíduos de 2011 seja transgênero.

Com Informações Folha de SP

Pastor Abner Ferreira lançará projeto de evangelismo online

O pastor Abner Ferreira, líder da Igreja Assembleia de Deus de Madureira, anunciou que irá lançar um grande projeto de evangelização online, e afirma que a internet pode ser uma grande ferramenta para transmitir o evangelho.

“Temos tanta coisa na internet – coisas boas. Por que não usar estas ferramentas a favor do evangelismo mundial? Enquanto um culto ou um projeto de bairro atinge algumas centenas de pessoas, um projeto de evangelismo digital atingirá milhares e até milhões de pessoas”, explica o pastor.

Abner Ferreira disse também que em poucas semanas deve anunciar o nome do projeto, e que já está fazendo melhorias nos sites e nas redes sociais de seu ministério. O projeto teria a intenção de incentivar a criação de mais conteúdos evangélicos na internet, como a criação de aplicativos para Android e iPhone, jogos com temática bíblica, incentivo aos portais de notícias cristãs, entre outros projetos.

O líder assembleiano, pretende reunir diversas personalidades evangélicas para contribuir com a estratégia voltada para a promoção de conteúdos das redes sócias, vídeos, blogs, entre outros.

Apple tem o pedido de patentear seu iPad mini negado

A fabricante de computadores Apple, teve seu pedido de proteger a propriedade do nome de seu iPad mini rejeitado pelo gabinete americano de marcas e patentes, por não considerarem que a empresa tenha feito argumentos fortes o suficiente.

A empresa multinacional Apple recebeu o prazo de até 24 de julho para justificar em que medida o minitablet é diferente e único. “Neste caso, tanto o componente individual quanto o componente resultante são uma descrição do objeto do demandante, mas não constituem uma criação única”, afirma a decisão publicada no dia 24 de janeiro, mas que só foi divulgada agora.

Se a Apple não demonstrar ao gabinete americano que o iPad mini é um conceito diferente, não poderá “exigir direitos exclusivos sobre os termos que outros podem precisar para descrever seus bens ou serviços no mercado”, acrescenta o documento.

O minitablet da Apple foi colocado à venda em novembro de 2012. A tela mede 20 centímetros e pesa a metade que o iPad original, apenas 308 gramas.

Facebook promoverá evento sobre Android

Nesta quinta-feira (28) os administradores do Facebook mandaram um convite para jornalistas dos Estados Unidos para que participem de um evento no dia 4 de abril, na sede da rede social, em Menlo Park, Califórnia. No convite enviado esta escrito a seguinte frase: “Venha ver nossa nova casa no Android”.

9416519Conforme fontes do site “TechCrunch”, o Facebook deve anunciar uma versão modificada do sistema operacional Android, do Google, com funcionalidades nativas da rede social na tela inicial. A plataforma deve rodar em um aparelho da fabricante HTC.

Segundo uma fonte do “TechCrunch”, o Facebook deve revelar um Android alterado que estará equipado em um aparelho da HTC. O Android não deverá ser completamente modificado, mas pode ter funcionalidades adicionais do Facebook já instaladas no celular.

O sistema poderia ter uma grande integração com aplicativos nativos do Facebook, como o Messenger, ou o compartilhamento com a rede social em qualquer lugar no telefone, conforme o “TechCrunch”.

Foi desenvolvido micro chip inteligente que deve controlar apetite e combater a obesidade

Foi criado por cientistas Britânicos um microchip inteligente desenvolvido para ser implantado no corpo humano com o objetivo de controla o apetite assim combatendo a obesidade. Após testes satisfatórios nos laboratórios do Imperial College, os professores Chris Toumazou e Stephen Bloom anunciaram que os testes em animais estão prestes a começar. Testes em humanos são esperados em três anos.

O chip que foi desenhado para ser implantado junto ao nervo vago (pneumogástrico), que regula o apetite e outras funções do organismo, consiste em um ‘modulador inteligente’ de poucos milímetros, implantado na cavidade peritoneal do abdome (na barriga). Ele será preso ao nervo vago por meio de eletrodos.

O chip e os eletrodos foram desenvolvidos para ler e processar estímulos elétricos e químicos do nervo que regulam o apetite. Com base nos dados coletados, o chip poderá enviar estímulos elétricos ao cérebro, reduzindo o apetite.

“Será um controle do apetite, mais do que dizer: ‘pare de comer de uma vez’. Então, talvez em ver de comer rápido, você coma mais devagar”, explicou o professor Toumazou, em entrevista à BBC.

“Uma vez que o cérebro fica em alerta, ele receberá sinais similares àqueles recebidos do organismo após uma refeição, e esses sinais dizem para não comer mais, que os intestinos estão cheio de comida”, completou o professor.

Segundo o professor Toumazou, o chip pode se tornar uma alternativa à cirurgia de redução do estômago, já que a nova técnica poderá controlar o apetite.

O fato de também identificar impulsos químicos deve tornar o chip mais efetivo, indicam os cientistas.

O projeto recebeu 7 milhões de euros do Conselho de Pesquisa Europeu.

Sobre o Nervo Vago

O nervo vago regula uma série de funções no organismo, como controlar a respiração, o ritmo cardíaco, a secreção de ácidos no sistema digestivo e a contração do intestino.Também indica ao cérebro como outros sistemas do organismo estão operando.

A equipe do Imperial College de Londres, no entanto, não é a única a pesquisar o tema, pois a empresa de tecnologia médica EnteroMédics, dos Estados Unidos, criou um circuito que bloqueia o nervo para interromper estímulos de apetite.

Resultados dos primeiros testes do chip americano, que envolveram 239 pacientes, mostraram perda de até 20% do excesso de peso no corpo. A empresa, no entanto, disse que os resultados não foram tão bons quanto os esperados.

Outra empresa americana, a IntraPace, também desenvolveu técnica similar.