Pesquisa revela o que os jovens brasileiros entendem por felicidade

Uma pesquisa que acaba de ser realizada pelo Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) revelou o que os jovens brasileiros entendem por felicidade. Foram ouvidos 2.100 rapazes e moças de sete capitais do país. Para eles, estar feliz é principalmente ter sucesso na carreira profissional e estar bem com a família.

A pesquisa concluiu que, para os jovens brasileiros, felicidade é algo muito diferente do que imaginam os poetas e os sonhadores. Ser feliz, para 95% dos jovens, é escolher certo uma profissão, ter uma oportunidade de emprego. E quem tem uma família equilibrada tem mais chances de ser feliz.

A professora de psicologia Maria Luiza Bustamante diz que os jovens estão dando um recado aos pais, que precisam estar mais presentes e acompanhar a educação dos filhos com um diálogo aberto. Formas de se evitarem problemas graves, como o envolvimento com as drogas e com a violência.

“Talvez alguns segmentos da população tenham chegado à conclusão de que, por um pouco de egoísmo, a família não faz falta. Os jovens estão dizendo: faz falta, sim. Temos que pensar nisso”, afirma a psicóloga. Os números também mostraram que 89% dos jovens disseram que o que impede a felicidade é não conseguir trabalhar; 45% apontaram a incerteza com relação ao futuro; 29% apontaram a solidão como o maior problema.

Fonte: Elnet

Bandidos atacam instalações missionárias em Guiné Bissau

Um grupo de bandidos armados tem espalhado terror na região de Bafatá, em Guiné Bissau (África) atacando como alvos preferenciais instalações missionárias.

O bando já assaltou a casa de duas missionárias da missão Amém em Bafatá, o seminário da Igreja Evangélica, na aldeia de NTchumbá e a missão católica de Bafatá.

Por conta dos ataques, a rádio Missão Batista, liderada pelas missionárias Analita e Edna, não está indo ao ar, pois local funciona à noite e é isolado.

Estudo revela que TV pode comprometer cérebro das crianças

De acordo com os pesquisadores do Hospital Pediátrico de Seattle, nos Estados Unidos, as crianças que começam a ver televisão muito cedo têm uma propensão maior ao déficit de atenção na idade escolar. Foram estudados os hábitos de 1.345 crianças e o resultado mostrou que, a cada hora diária em frente à TV, elas correm um risco 10% maior de enfrentarem problemas de atenção a partir dos sete anos de idade.

Os pais também foram questionados sobre o tempo que seus filhos passavam em frente à televisão. Apesar de não haver dados sobre o diagnóstico para o déficit de atenção nestas crianças, eles apontaram que as crianças apresentavam dificuldade de concentração, comportamento impulsivo e ficavam confusas facilmente.

De acordo com Dimitri Christakis, autor do artigo publicado na revista Pediatrics, o conteúdo dos programas é pouco relevante. O perigo vem das imagens excessivamente aceleradas, que podem alterar o desenvolvimento normal do cérebro. “O cérebro das crianças se desenvolve muito rapidamente durante os primeiros três anos de vida”, explicou Christakis. Segundo ele, a estimulação acelerada durante esta fase pode criar hábitos mentais prejudiciais.

Fonte: Elnet

Filiação de Alencar no PMR é marcada com a presença de evangélicos

O ato de filiação do vice-presidente da República José Alencar ao PMR (Partido Municipalista Renovador) nesta quinta-feira foi marcado pela presença de cerca de 700 pessoas, quase todas evangélicas, que lotaram um dos salões do Ouro Minas, um hotel cinco estrelas na zona nordeste de Belo Horizonte. Alencar foi saudado na chegada com gritos de “presidente Alencar” e com fogos de artifício.

Apesar de toda essa reverência, os aplausos mais entusiasmados foram para o senador e bispo da Igreja Universal, Marcelo Crivella (RJ). Mas não faltaram também palmas entusiasmadas para o cantor de pagode Netinho, que também assinou sua ficha de filiação ao novo partido.

Crivella anunciou no seu discurso que Roberto Mangabeira Unger mandou de Harvard (EUA) a sua ficha de filiação ao partido para que fosse abonada por Alencar. O senador leu uma mensagem dele, denominada “chamamento aos meus concidadãos”, na qual diz que “o Brasil precisa, quer e ainda não vislumbrou uma alternativa que organize o nosso esforço nacional”, na qual prevaleça nessa “causa republicana” os interesses “do trabalho, da produção e da educação”.

O presidente do PMR, o evangélico Vítor Paulo dos Santos, anunciou que também se filiou à legenda Rafael de Almeida Magalhães (RJ), ex-vice-governador do então estado da Guanabara, auxiliar de Carlos Lacerda.

Santos o lançou candidato a presidir o futuro PR (Partido Republicano) e pediu o apoio de Alencar para convencê-lo a aceitar o cargo.

Coube a Crivella, no seu discurso, explicar aos presentes que, embora os evangélicos tenham tido “participação fundamental” na formação do PMR, a sigla “não é um partido evangélico, não tem um programa evangélico, é um partido laico”.

“É claro que vamos continuar merecendo a honra e o apoio de tão expressiva notória parcela da nossa sociedade, que são os evangélicos. Mas é um partido republicano. O partido também dos espíritas, dos católicos, dos umbandistas dos que não têm religião, mas têm amor no coração a este país e querem construir conosco uma mudança, uma transformação.”

Pacto com o diabo

Entre o público, houve um “amém” coletivo quando Crivella disse que “Deus abençoe a todos” que estão no novo partido.

E um pequeno burburinho entre os presentes quando Alencar, ao fazer suas habituais críticas ao pouco crescimento econômico, disse que parece que o Brasil “fez um pacto com o diabo”.

Igrejas evangélicas terão grife de produtos

Além do dízimo e das ofertas voluntárias dos fiéis, as igrejas evangélicas deverão contar com uma nova fonte de receitas a partir de 2006:

O licenciamento de uma grife batizada de Lar Evangélico, que estará presente em produtos que vão de gêneros da cesta básica até brinquedos.

Para incentivar o consumo desses produtos, as igrejas evangélicas vão receber metade dos lucros líquidos obtidos com os royalties do licenciamento da marca. As embalagens dos produtos trarão selos que deverão ser recortados pelos fiéis e depois levados às igrejas. A contagem desses selos vai determinar o total de royalties que caberá a cada entidade evangélica cadastrada.

Doze empresas já estão licenciadas para produzir mais de 1.200 itens com o nome Lar Evangélico. A marca é de propriedade da Stone Tree, empresa que organiza o projeto.

A partir de novembro, a campanha institucional da nova marca vai chegar aos meios de comunicação, principalmente em programas evangélicos de TV e rádios voltadas para esse público. Os primeiros produtos, no entanto, só chegam às gôndolas dos supermercados em janeiro, segundo o proprietário da marca, Ricardo Barbosa Lima.

O proprietário da marca, Ricardo Barbosa Lima, e o sócio e diretor da Marcas Licenciamentos e Marketing (empresa que irá gerir em conjunto com a Stone Tree o projeto da nova marca), José da Rocha Neto, apostam também no potencial do mercado consumidor entre os evangélicos: pesquisas realizadas pela Stone Tree nos últimos três anos mostram que o Brasil tem mais de 40 milhões de evangélicos e que a qualidade de vida desses fiéis tem crescido rapidamente.

A última estimativa do número de evangélicos no país –feita em 2000 pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística)– já contava pelo menos 26,2 milhões de pessoas, correspondente a 15,41% da população brasileira até então distribuídas em ao menos 17 denominações evangélicas.

Neto disse que diversas lideranças evangélicas foram convidadas a participar do negócio, mas que a Assembléia de Deus, que responde por cerca de 60% desses fiéis, deve ser o principal mercado.

A estrutura preparada por Lima para o lançamento da nova marca também deverá contar com um “call center” para atender os consumidores dos produtos da marca. Lima avalia que apenas na Grande São paulo haja entre 15 mil e 18 mil igrejas evangélicas. Ele disse que a proposta da nova marca foi bem recebida entre os líderes das principais denominações evangélicas.

O pastor da igreja Assembléia de Deus, Jabes Alencar, lembra o cunho social do projeto. “A gente vê pela estrutura do projeto que ele não tem somente esse interesse financeiro, o que é muito justo. É lindo ver nesse projeto esse lado social, de retorno para a própria igreja”, disse Alencar.

Imagem apedrejada por evangélico em Belém é restaurada

A imagem da Nossa Senhora de Nazaré, apedrejada um dia após a procissão do Círio, foi restaurada hoje e voltou à praça santuária da Basílica, em Belém (PA), o que provocou um aumento de 25% no número de visitantes.

Cerca de 50 mil pessoas passaram no local para cultuar a santa. O movimento normalmente não ultrapassa os 40 mil.

Segundo Flávio Américo, coordenador da 213ª edição do Círio –maior manifestação religiosa do país –, antes mesmo de a “imagem peregrina” ser recolocada, os fiéis já se revezavam para orar à frente de uma réplica de gesso, que também fora alvo de um ato de vandalismo em junho.

Segurança

Um forte esquema de segurança será colocado em prática ainda nesta semana. Ao menos dois seguranças armados, além dos dois guardas que já faziam a proteção da santa, ficarão responsáveis por não permitir que o incidente volte a se repetir.

Além disso, um fiel irá doar uma cúpula blindada de 2 mm de espessura para abrigar a imagem. Já foram tiradas as medidas e a encomenda do material foi feita em São Paulo.

A imagem da Nossa Senhora de Nazaré carregada na procissão do Círio foi atingida por duas pedras atiradas pelo segurança José Ubiratan Leite, 34 –que continua preso na capital.

O evangélico, da igreja Assembléia de Deus, foi autuado por dano ao patrimônio histórico e cultural, crime que pode dar de um a três anos de reclusão.

A polícia não soube informar se a família já constituiu advogado.

A imagem de madeira, de 48 cm e 3 kg, teve danos na coroa, que ficou amassada, e em sua base de sustentação, que teve um dos pinos avariados. Parte da pintura também foi afetada. Sua restauração foi realizada pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).

A santa, construída em 1969, na Itália, é uma réplica da original, datada de 1793, que está protegida no interior da Basílica de Nazaré, fora do alcance dos fiéis.